Nunca havia passado tanta vergonha…

(Puedes leer esta entrada en Español pinchando aquí: Vergüenza)

Ilustração: Claudine Bernardes
Ilustração: Claudine Bernardes

Há  momentos que passamos por situações que nos fazem sentir tão envergonhados, que se pudéssemos faríamos um buraco para esconder-nos dentro. Creio que todos já passamos por situações assim.

Em uma ocasião, durante uma festa que se fazia cada ano na minha cidade, saí para passear vestida com uma saia, que consistia em um pano retangular, amarrado em volta da cintura. Era a moda do momento! Quando de repente, em meio de uma multidão de gente, o nó se desfez e… bem… a saia caiu no chão. Foi constrangedor! Acredite ou não, essa não foi a pior vergonha da minha vida.

Certa vez estava pedalando no centro da cidade, quando decidi baixar da calçada à rua. Não notei que o bueiro estava destapado, e a roda da bicicleta entrou de cheio nele. Resultado: Percebi como em câmera lenta, a roda de atrás começava a elevar-se, fazendo-me cair de cabeça no chão, agarrada ao guidão da bicicleta. Literalmente mergulhei de cabeça na sarjeta! Entretanto essa também não foi a maior vergonha que passei. Só lhes contei essas experiências, para que pudessem compreender o quanto me senti envergonhada. Agora deixemos de preâmbulos e vamos aos fatos.

Depois de anos mergulhada em uma vida sedentária, resolvi voltar a praticar mountain bike. Não foi nada complicado! Peguei minha MTB, que estava cansada de estar guardada, e busquei uma rota de ciclismo bem legal, que me levava a uma praia linda. Saia de casa bem cedinho, porque era verão e queria evitar as horas de sol mais forte. Depois de duas semanas nesse ritmo, já me sentia quase pronta para a minha primeira incursão pelas rotas de montanha.

Era um sábado pela manhã, dia em que todos os ciclistas saiam do redil. Já havia chegado à praia, que distava aproximadamente 10 quilômetros de casa, havia tomado água, descansado um pouco, e me dispunha a regressar. Quando dei a primeira pedalada, senti um frio na barriga… olhei para atrás… não podia ser! O pneu estava furado!

Você deve estar pensando: “Que bobagem! É só trocar a câmara. Afinal um ciclista sempre tem uma câmara de reserva.” Bem… eu tinha né… mas… (como dizer?) … havia deixado em casa. Pronto, falei!

Na bolsa da bicicleta (que deveria conter a câmara de reserva) levava: a chave de casa; uma bolsa estanque (porque no sábado anterior havia pegado um toró, que resultou na morte por afogamento do meu celular); e o celular, que não era de muita ajuda, porque naquele momento ninguém que eu conhecia estava disponível.

Sopesei as minhas possibilidades e resolvi regressar para casa, empurrando a bicicleta. Já falei que era sábado e que todos os ciclistas haviam saído do redil? Pois bem, antes de percorrer 300 metros, passei pelo primeiro momento constrangedor:

_ Furou o pneu? – Perguntou um cliclista que passou por mim. Respondi que sim e ele se prontificou a ajudar-me. – Se você quiser te ajudo a trocar a câmara.
_ Obrigada! Mas não tenho câmara. – O pobre me olhou com uma cara de espanto, e eu, para amenizar a situação, completei. – Não se preocupe, estou acostumada a caminhar. São apenas 10 quilômetros! De qualquer forma, obrigada! – E lá se foi minha primeira vergonha.

Durante os próximos 6 quilômetros a mesma conversa se repetiu umas 30 vezes. Porque isso sim, os praticantes de ciclismo são muito solidários! No entanto, já não aguentava repetir que havia deixado a câmara de reserva em casa. Era muita vergonha repetida para uma pessoa só. De verdade, se pudesse construiria um túnel que me levasse escondida até a minha casa.

praia espanha
Foto: Claudine Bernardes

O quê aprendi?

Aprendi que é extremamente vergonhoso não estar preparada para uma situação, a qual sabia que podia passar. Eu sabia que deveria levar sempre comigo uma câmara de reserva, mas escolhi deixá-la em casa. Isso não é falta de previsão, é burrice!

Aprendi que não adiante ter uma bicicleta maneira, estar vestida com roupa apropriada, levar capacete e luva… se não estou preparada para os problemas do caminho. A maioria dos problemas são previsíveis!

Isso vale para qualquer âmbito da nossa vida. Prever os problemas do caminho, preparar-se para enfrentá-los e atuar com prontidão nos poupará muitos constrangimentos.

Para terminar, gostaria de contar o final da história: quando faltavam uns 4 quilômetros para chegar em casa, passou por mim outro ciclista. Me fez a mesma pergunta, eu dei a mesma resposta e ele seguiu seu caminho. Regressou depois de um minuto:

_ Te proponho algo! Tenho uma câmara de reserva, podemos colocá-la na sua bicicleta e depois passamos na sua casa. Você me entrega a sua câmara de reserva e eu sigo meu caminho.
Assim fizemos! Obrigada, Victor, você me poupou outros 4 quilômetros de vergonha!

pneu furado

Lembre-se que “A Caixa de Imaginação” é um instrumento de comunicação bilateral, por isso sinta-se a vontade para fazer comentários e críticas. Um grande abraço!

Anúncios

3 comentários sobre “Nunca havia passado tanta vergonha…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s