O Pescador e o Gênio: Análise simbólico de um conto polissêmico.

(Para leer el texto en Castellano pincha aquí)

Pescador port

O ano já está terminando, e para despedir-me deste ano quero compartilhar com vocês um dos contos que mais gosto e mais utilizo: “O Pescador e o Gênio” também conhecido como “O Pescador e o Ifrit” que é uma das histórias contadas pela bela e inteligente Scheherazade ao sultão no famoso livro “As mil e uma noites”

Se trata de um conto polissêmico, ou seja,   um conto que possui uma pluralidade de significados,   já que  contêm muitos símbolos e personagens arquetípicos. Além disso, nos  contos polissêmicos “aparecem elementos maravilhosos e sobrenaturais, misturados com elementos tirados da realidade” (Aurelio M. Espinosa). 

“O pescador e o gênio” conta como um pobre pescador joga a rede no mar quatro vezes. Primeiro pesca um burro morto, a segunda vez um jarro cheio de areia e lama. Na terceira tentativa a coisa fica pior que as anteriores: cacos de vidro e barro. Na quarta vez, o pescador tira um vaso de cobre. Ao abri-lo, surge uma enorme nuvem que se materializa em um gênio gigantesco que ameaça matá-lo, apesar dos apelos do pescador. Porém, graças à sua inteligência o pescador consegue livrar-se do Gênio: ele zomba do gênio desafiando-o a se tornar pequeno e entrar no vaso. Então o pescador cobre rapidamente e sela o vaso, jogando-o de volta ao mar.

Resolvi compartilhar este conto com vocês porque estarei publicando uma série de posts onde vou explicar muitas atividades que estou realizando (oficinas, palestras, contação de histórias, contoterapia), nas quais utilizo também este conto. Conhecendo o conto será mais fácil para que vocês compreendam as atividades.

Este conto utilizei em várias ocasiões, tanto em uma sessão de contoterapia individual, como oficinas grupais. E para que idades serve? TODAS. Já utilizei com crianças, adolescentes e adultos. Para atingir quais objetivos? Para trabalhar a educação emocional; introjetar o conceito de impulsividade; fomentar a necessidade de lidar com as más condutas para poder ser mais fortes e alcançar os sonhos; lidar com os vícios, etc.

Além do conto (na minha própria versão) deixarei de presente para você uma “Análise Simbólico”  feita por mim.   Os símbolos escolhidos para análise são: 1. Pescador 2. Gênio (Ifrit)  3. O número 4 (quatro objetos pesados – 4 séculos – 4 membros da família (mulher e três filhos). 4. O vaso de cobre e a tampa de chumbo. Genio e o Pescador análisis dos simbolos em português  Se você tiver alguma dúvida ou quiser conversar comigo, não duvide em escrever-me. Abaixo deixarei um formulario de contato, para que seja mais fácil. Obrigada pela visita e não se esqueça de seguir-me para receber as atualizações 😉

O Pescador e o Gênio

Contaram-me, ó poderoso rei, que havia um pescador, de idade muito avançada, casado, pai de três filhos e muito pobre. 

Tinha o costume de tirar a rede quatro vezes por dia, e não mais. Ora, um dia, no início da tarde, ele foi para a beira do mar, descansou seu balaio, atirou a rede e ficou esperando até que ela pousasse no fundo da água. Então recolheu a rede, porém esta pesava muito e não conseguia puxá-la. Levou, então, a ponta do fio à terra e amarrou-a numa estaca enfiada na areia. Depois despiu-se e mergulhou na água que ficava em volta da rede e não cessou de debater-se até soltá-la. Alegrou-se, tornou a se vestir e, aproximando-se da rede, encontrou um burro morto. Vendo aquilo, ficou desolado, mas ainda assim agradeceu a Deus. 

Depois de ter retirado a rede e limpá-la, voltou a jogá-la ao mar e esperou. Depois de um tempo tentou puxá-la e observou que estava pesada como na primeira vez. Acreditando ser um grande peixe, amarrou a ponta a uma estaca, despiu-se e mergulhou. Quando levou a rede à margem, encontrou nela um jarro enorme, cheio de lama e areia. Vendo aquilo, disse: “Ó traicões da sorte! Piedade! Que tristeza. Sobre a terra, nenhuma recompensa é igual ao mérito, nem digna do sacrifício. Às vezes saio de casa para procurar a fortuna. E dizem-me que ela morreu há tempos. Miséria. É assim, ó Fortuna, que relegas os sábios à obscuridade, para deixar que os tolos governem o mundo.”
Depois, atirou o jarro para longe de si, torceu a rede, limpou-a, pediu perdão a deus pela sua revolta e voltou ao mar pela terceira vez. Atirou a rede, esperou que ela atingisse o fundo e, tendo-a retirado, encontrou potes quebrados e pedaços de vidro. Vendo aquilo, recitou outra vez versos de um poeta: “Ó Poeta, o vento da fortuna jamais soprará ao teu laod! Ignoras, ingénuo,que nem tua pena de caniço nem as linhas harmoniosas de tua escrita não te hão-de enriquecer?” 

E, erguendo a cabeça para o céu, exclamou: “Alá! Tu o sabes! Eu não te atiro minha rede senão quatro vezes. Ora, eis que a deitei três vezes ao mar!” depois disso, invocou ainda uma vez o nome de Alá e jogou a rede ao mar, esperando que deitasse ao fundo. Dessa vez, apesar de todos os esforços, não conseguiu retirar a rede que se agarrou às rochas do fundo. Então exclamou: “Não há força e poder senão em Alá!” Depois, despiu-se, mergulhou em torno da rede e se pôs a manobrar até que a desprendeu e a trouxe para terra. Abriu-a e ali encontrou um grande vaso de cobre amarelo, cheio e intacto. Sua boca estava selada com chumbo, trazendo o sinete de Salomão, filho de Davi. Vendo aquilo, o pescador ficou muito feliz, e exclamou: “Eis uma coisa que venderei aos caldeireiros, pois deve valer pelo menos 10 dinares de ouro!” Tentou sacudir o vaso, mas viu que era muito pesado, e disse consigo mesmo: “Preciso abri-lo e ver seu conteúdo, que colocarei no saco; em seguida venderei o vaso.” Tomou, então, uma faca e começou a descolar o chumbo. Virou o vaso e dele nada saiu, excepto uma fumaça que subiu até o céu, e se desenrolou na superfície do solo. O pescador espantou-se. Depois a fumaça condensou-se e se transformou num ifrit, cuja cabeça tocava as nuvens e os pés ficavam plantados ao chão. A cabeça daquele ifrit era como uma cúpula, as mãos como forcados, os pés como mastros, sua boca uma caverna, seus dentes como seixos, seus olhos como tochas. Seus cabelos estavam em desordem e empoeirados. À vista daquele génio, o pescador ficou apavorado, seus músculos tremeram, seus dentes serraram, a saliva secou e seus olhos cegaram para a luz. 

Quando o ifrit viu o pescador, exclamou: “Por favor, grande Salomão, não me mate! Farei o que ordenes! Então o pescador disse: “Gigante, Salomão morreu há mil e oitocentos anos. Qual é a causa de tua entrada neste vaso?” O génio respondeu: Deixa-me dar uma boa nova, pescador.” O pescador disse: “O que me vais anunciar?” Ele respondeu: “Tua morte. E neste mesmo momento, e da mais horrível maneira.” O pescador respondeu: “Por essa notícia tu mereces, ó tenente dos ifrits, que o céu te retire sua protecção! E possa ele afastar-te de nós! Por que, pois, queres tu minha morte? O que fiz para merecê-la? Libertei-te daquela prolongada prisão no mar e te trouxe a terra!” Então o ifrit disse: “Pensa e escolhe a morte que preferes, e a forma pela qual apreciarás ser morto!” O pescador disse: “Qual o meu crime, para merecer tal punicao?” O ifrit falou: “Escuta minha história, ó pescador.” O pescador disse: “Fala! E sê breve em teu discurso porque minha alma, de impaciência, está a ponto de sair de meu pé!” O ifrit então contou:
Sabe que sou um gênio rebelde. Havia me revoltado contra Salomão, filho de Davi. Meu nome é Sakir-El-Gênio. Salomão mandou ter comigo seu vizir, Assef, que me levou, apesar de meus esforços, e me conduziu à presença de Salomão. Vendo-me, Salomão fez a conjuração a Alá e me ordenou abraçar sua religião e lhe prestar obediência. Recusei. Então ele fez trazer este vaso e nele me aprisionou. Depois, fechou-o com chumbo e imprimiu nele o sinete com o nome do Muito Alto. Depois deu ordens aos gênios fiéis que me atiraram ao mar. Fiquei cem anos no fundo da água, e dizia em meu coração: “Farei eternamente rico aquele que me libertar.” Mas os cem anos se passaram e ninguém me libertou. Quando entrei no segundo período de cem anos, disse comigo: “Descobrirei e darei os tesouros da terra `àquele que me libertar.” Mas ninguém me libertou. Então decidi conceder 3 desejos a quem me libertasse. Mas como isso não aconteceu fiquei tomado de tremenda cólera e disse em minha alma: “Agora, matarei aquele que me libertar, e só lhe concederei que escolha a sua morte! Foi então que tu vieste me libertar. E te concederei que escolhas teu gênero de morte.”
Ouvindo isso, o pescador disse: “Ó Alá, que coisa mais prodigiosa! Foi preciso que fosse logo eu quem te libertasse. Ó ifrit, concede-me graça, e Alá te recompensará! Mas se me fizeres perecer, Alá fará surgir alguém que te faça perecer por tua fez.” Então o ifrit lhe disse: “Mas eu quero te matar justamente porque me libertaste.!” E o pescador disse: “Ó grande Gênio, assim que tu pagas o bem?” Mas o ifrit lhe disse: “Chega de abusar das palavras! Sabes que é absolutamente necessária a tua morte!” Então o pescador disse consigo mesmo: “Eu não sou senão um homem e ele é um gênio. Mas Alá deu-me uma razão bem assentada e assim vou arranjar um meio para perdê-lo, um estratagema para enganá-lo. E verei bem se ele, por sua vez, poderá combinar alguma coisa com sua malícia e sua astúcia.” Então ele disse ao gênio: “Decidiste verdadeiramente a minha morte.” O ifrit respondeu: “Não tenhas dúvidas.” Então ele disse: “Pelo nome do Muito Alto, que está gravado sobre o sinete de Salomão, conjuro-te a responder com a verdade à minha pergunta!” Quando o ifrit ouviu o nome do Muito Alto, ficou emocionado e muito impressionado, e disse: “Podes fazer a pergunta, que te responderei com a verdade.” Então o pescador disse: “Como pudeste caber inteiro neste vaso onde mal caberiam teu pé ou tua mão?” O ifrit disse: “Por caso duvidarias disso?” O pescador respondeu: “Com efeito eu não acreditarei nunca, a menos que te veja com meus próprios olhos, entrar no vaso.”

O Gênio começou a mover-se e transformando-se novamente em fumaça começou a entrar, pouco a pouco, no vaso. Quando o Pescador viu que toda a fumaça já estava dentro do vaso, pegou rapidamente a tampa de chumbo e a colocou sobre o vaso, fechando a entrada. Quando o Ifrit percebeu que não podia sair começou a agitar-se dentro do vaso, pedindo para ser liberado. “_ Clemência pescador! Se me libertares farei de ti o homem mais rico e poderoso do mundo!” “_Já não creio em ti, malvado Gênio! Tenho certeza que me matarás se te liberto. Mas te contarei os meus planos. Te devolverei ao mar, de onde não deverias ter saído. Depois construirei uma casa a beira do mar, e contarei a todos que passem por aqui o que me aconteceu. Assim, se alguém encontrar este vaso, saberá que um malvado gênio vive no seu interior, e voltará a jogar-te ao mar.”

Enquanto o malvado ifrit gritava, pedindo para ser liberado, o pescador devolveu o vaso ao fundo do mar, satisfeito por ter conseguido conservar a sua vida.

 

Anúncios

4 comentários sobre “O Pescador e o Gênio: Análise simbólico de um conto polissêmico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s