“Mi gozo en un pozo”. Escolho a alegria.

(Para leer el texto en Español pincha en: Elijo la alegría)

mulher cansada claudine bernardes
Ilustração: Claudine Bernardes

A Ambição Superada

“Certo dia uma rica senhora viu, num antiquário, uma cadeira que era uma beleza. Negra, feita de mogno e cedro, custava uma fortuna. Era, porém, tão bela, que a mulher não titubeou – entrou, pagou, levou para casa.
A cadeira era tão bonita que os outros móveis, antes tão lindos, começaram a parecer insuportáveis à simpática senhora. (Era simpática).
Ela então resolveu vender todos os móveis e comprar outros que pudessem se equiparar à maravilhosa cadeira. E vendeu-os e comprou outros.
Mas, então a casa que antes parecia tão bonita, ficou tão bem mobilada que se estabeleceu uma desarmonia flagrante entre casa e móveis. E a senhora começou a achar a casa horrível.
E vendeu a casa e comprou uma outra maravilhosa.
Mas dentro daquela casa magnífica, mobilada de maneira esplendorosa, a mulher começou, pouco a pouco, a achar seu marido mesquinho. E trocou de marido.
Mas mesmo assim não conseguia ser feliz. Pois naquela casa magnífica, com aqueles móveis admiráveis e aquele marido fabuloso, todo mundo começou a achá-la extremamente vulgar.”  (Millor Fernandes)
Hoje em dia, vivemos em um mundo que corre a um ritmo acelerado. Se as coisas não são feitas como queremos, desejamos ou esperamos nosso “gozo por un pozo”, ou seja, perdemos a alegria. Não se trata de sentir-se uma pessoa infeliz, não se trata de insatisfação, é mais uma infantilidade, egoísmo, frustração insana.
 
Compartilho isso com você desde minha experiência pessoal. Me considero uma pessoa feliz, bem resolvida, tenho uma família linda, porém… ai ai os “poréns” da vida. Por que sempre tem um porém no meio de uma história feliz?
Comecei a perceber que em um momento estava no auge da alegria, e no minuto seguinte, por uma bobagem me sentia jogada no chão. Perdia a minha alegria por qualquer besteira. Foi então que me olhei no espelho e me senti tão vulgar e fútil como a simpática mulher da história de Millor Fernandes.
O que observei?
1. Me afogava num copo de água: Dava muita atenção aos pequenos problemas, e tendo em vista que os pequenos problemas são constantes, eu constantemente me frustrava.
2. Armava batalhas por besteiras: Transformava pequenas lutas em circunstâncias bélicas. Maximizava os problemas, como se tudo girasse ao meu redor.
3. Me frustrava quando algo não saia exatamente do jeito que eu havia pensado. 
Então lembrei de outra história que havia lido muitas vezes. Se trata do relato Bíblico que conta história de Paulo e seu amigo Silas numa prisão (Atos dos Apóstolos 16). Eles haviam sido presos por tentar ajudar a uma moça, mas antes de colocá-los no calabouço, bateram bastante neles. Eles estavam ali, naquela prisão suja, fétida, machucados pelos açoites, e presos pelos pés em um tronco. Que visão horrível, que injustiça! Se fosse eu, gritaria impropérios e os ameaçaria de demandá-los por abuso de autoridade. Mas eles decidiram cantar… isso mesmo, cantar. “Escolheram a Alegria.”

 Então, resolvi fazer o mesmo, escolhi a alegria. Decidi que não me deixaria dominar pela frustração, não queria me converter na mulher da história. Desde então me sinto muito melhor.

Agora deixo algumas dicas práticas que tirei do livro “Não se frustre por ninharias” (R. Carlson y E. Salesman):
1 – É necessário saber perder: Esse deveria ser o lema de quem quer se livrar do stress e de viver queimando pólvora à toa.
2 – Uma boa estratégia: a melhor maneira de viver é escolhendo que batalhas lutar e quais evitar. Nosso objetivo principal não deve ser buscar a perfeição em tudo. Devemos compreender que as discussões que temos e as batalhas que enfrentamos alteram o nosso equilibrio e prejudicam o nosso sistema nervoso.
3. Batalhas inúteis: É realmente importante convencer o teu marido que a sua opinião não está correta? Vale a pena fazer um drama porque alguém cometeu um pequeno erro? Vale apena perder a paz e se frustrar porque um mal educado furou a fila?
Pense ou escreva uma lista das coisas que te fizeram sentir sentir raiva e frustração durante essa semana. Foram muitas? Talvez tenha chegado o momento de você escolher a alegria. 
Lembre-se disso:
a caixa de imaginação
Fotografia e edição: Claudine Bernardes
Obrigada pela companhia! Se gostou do texto, compartilhe com seus amigos. Para receber minhas publicações você pode se inscrever no blog. A Caixa de Imaginação é um instrumento de comunicação bilateral, será um prazer receber e ler os seus comentários. 😉
Anúncios

3 comentários sobre ““Mi gozo en un pozo”. Escolho a alegria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s